Com o número de brasileiros desempregados aumentando a cada dia, além das dificuldades que a pandemia gerou para muitos trabalhadores, ficou cada vez mais difícil fechar o mês no azul e com todas as contas em dia, certo? Para muitos desses casos, o Seguro-Desemprego pode servir de ajuda financeira, evitando dores de cabeça e garantindo mais tranquilidade para você e a sua família.

Se esse é o seu caso, mas ainda não sabe como dar entrada no benefício, quais são os documentos necessários e o valor das parcelas, fique tranquilo! Nós, da Superdigital, separamos um guia completo do seguro-desemprego 2021 para você. Conheça abaixo!


O que é e como funciona o Seguro-Desemprego?

O Seguro-Desemprego é um benefício e direito do trabalhador brasileiro. Criado em 1986, ele garante ajuda financeira ao trabalhador que foi demitido sem justa causa. Mesmo que apenas por um tempo, o seguro funciona como apoio para quem está desempregado e sem renda extra.


Quem tem direito ao Seguro-Desemprego?


Pensando em pedir o Seguro-Desemprego, mas não tem certeza se você tem direito ao benefício? Na maioria das vezes, as condições são bem simples:

  • Fui dispensado do meu trabalho sem justa causa - Para trabalhadores formais e com carteira assinada, é possível solicitar o Seguro entre 7 e 120 dias após a demissão. Funcionários domésticos dispensados sem justa causa podem pedir entre 7 e 90 dias. Já pescadores, em até 120 dias, e trabalhadores resgatados em até 90.
  • Não tive renda própria para meu sustento e o da minha família - Se você é sócio de uma empresa, por exemplo, mas não recebeu nenhum lucro ou dinheiro dessa parceria, pode solicitar o seu Seguro sem complicações. Apenas empresas ativas no mercado ou que geraram lucro financeiro para o trabalhador impedem o pedido.
  • Não recebi outros benefícios da Previdência Social - Com exceção da pensão por morte ou auxílio acidente, não é permitido receber mais de um benefício ao mesmo tempo, já que o Seguro-Desemprego não é acumulativo ou permanente.
  • Recebi o auxílio emergencial, posso dar entrada no Seguro-Desemprego? Segundo o Ministério da Cidadania, não é possível receber os dois benefícios ao mesmo tempo. Ou seja: se você tem interesse em receber o auxílio emergencial, mas ainda tem parcelas pendentes do Seguro, o mais recomendado seria esperar até o último saque para só então solicitar o auxílio, e de preferência no mês seguinte.

Se identificou com algum desses casos? Então já pode respirar aliviado! Você pode ter direito ao Seguro-Desemprego. Veja abaixo como solicitar o seu saque e quais são os documentos necessários para cada trabalhador.


Como dar entrada no Seguro-Desemprego:


Para dar entrada no Seguro-Desemprego é bem simples: além dos postos credenciados pelo Ministério da Economia, você também pode ir presencialmente nas unidades das Superintendências Regionais do Trabalho - mas atenção, é preciso agendar antes o atendimento pela central 158.

Caso não queira ir presencialmente, fique tranquilo: você consegue fazer a sua solicitação pelo aplicativo da Carteira de Trabalho Digital ou pelo próprio site da Caixa Econômica Federal.


Veja a lista de documentos necessários:

Fora os requisitos básicos que explicamos acima, para receber o Seguro é preciso ter em mãos alguns documentos importantes:

  • Comunicado de dispensa e requerimento do Seguro-Desemprego
  • Termo de rescisão do contrato
  • Carteira de Trabalho
  • Carteira de identidade (certidão de nascimento ou casamento também valem)
  • CPF
  • Comprovante de inscrição no PIS/Pasep
  • Recibo dos dois últimos pagamentos recebidos - apenas para trabalhadores formais

Ainda ficou em dúvida sobre quais documentos são necessários para pedir o Seguro-Desemprego? No site da Caixa você encontra a lista completa para solicitar o auxílio.


Qual o valor das parcelas do Seguro-Desemprego?

O valor e a quantidade de parcelas do Seguro podem variar de caso em caso. Para pescadores, empregados domésticos ou trabalhadores resgatados (de serviços forçados ou da condição de escravidão), o valor do Seguro-Desemprego é de 1 salário mínimo (R$ 1.100).

As parcelas também variam de acordo com os meses trabalhados, podendo chegar de 3 a 5 parcelas.

Mas fique atento: o valor do Seguro pode variar de acordo com a média salarial de cada pessoa. Por exemplo: se você é um trabalhador formal, possui carteira assinada, e a média do seu salário está acima de R$ 2.811,60, o valor da parcela do Seguro-Desemprego será de R$ 1.911,84, aproximadamente.


Como acompanhar o seu pedido:

Fez o seu pedido do Seguro-Desemprego, mas não sabe por onde acompanhar? A Caixa oferece algumas opções para o trabalhador, entre elas, o app Caixa Trabalhador, o serviço de atendimento ao cidadão ou o número 0800 726 0207.